Como é bom ser mãe

Publicado: 09/05/2019



O segundo domingo de maio é um dia para celebrar as infinitas qualidades que definem o que é ser mãe.

 

Tornar-se mãe é como se um gatilho mudasse tudo na gente: Descobrimos a habilidade de fazer mil coisas ao mesmo tempo e todas bem feitas (ao menos tentamos)!

 

É pensar “Caramba! Alguém depende de mim”.

 

Passamos a conhecer o que é o amor.

 

Aquilo que antes era importante, já não tem tanto valor. Nossas prioridades mudaram e já não estamos mais centro das atenções. O sono não é tão pesado, nossos reflexos já estão mais aguçados, a empatia já se torna natural.

 

Com o tempo percebemos que nossas prioridades continuam mudando, menos as nossas preocupações: “será que estão bem?”; “estão se alimentando?”; “que horas voltam?”; “chegaram bem?”...

 

Aos nossos filhos dedicamos um amor incondicional e sonhamos que absorvam o melhor de nós e façam das suas vidas uma história de felicidade plena de realizações.

 

Ser mãe é desdobrar-se em boas intenções enquanto o mundo todo avalia nossos passos, examina nossos erros e raramente nos lembra dos nossos acertos.

 

Tentamos ao máximo mostrar aos nossos filhos uma mulher determinada, segura e forte. Queremos que eles saibam que por eles seremos inabaláveis como um teto que protege da chuva e do frio ou como uma chama que lhes acalenta e afaga.

 

Afinal, é verdade! Se precisar levantar um prédio com as duas mãos por eles, nós o faremos. Acredite, jamais duvide da força que uma mãe tem.

 

Mas toda mãe é também uma filha.

 

Quem nunca parou e percebeu coisas que suas mães fizeram até tornarem-se mães?

 

Quando amadurecemos como mães, percebemos os sacrifícios que fizeram por nós.

 

Começamos a entender o quão difícil é ser aquela pessoa que víamos como alguém inabalável e segura e percebemos que aquilo era sim uma força - a de amar incondicionalmente e abdicar de si para algo que é parte física de nós.

 

Percebemos que tudo que somos hoje é um pedaço da mãe que nos criou e herdamos uma eterna dívida de amor por tudo que nos tornamos.

 

Por isso que, como mães, temos que nos lembrar: Como posso estar bem para meus filhos se esqueço de mim?

 

Cuidar de si não é um ato egoísta, lembre-se, cuidar de si é cuidar tanto de quem nos quer bem como de quem queremos o bem.

 

Se a vida acaba nos colocando em uma situação em que precisamos ser mães, pais, irmãs, amigas, avós, conselheiras, professoras, encanadoras, taxistas, enfermeiras, psicólogas, cozinheiras, faxineiras, administradoras, dedetizadoras, pintoras, maquiadoras, cabeleireiras, engenheiras, arquitetas, enfim, criadoras do universo inteiro!

 

Temos de nos permitir, nos intervalos desta vida atarefada, um momento de paz consigo mesmas. PERMITA-SE, nem que sejam apenas 15 minutos das tuas 18 horas do dia (afinal que mãe dorme mais que 6?!).

 

De carinho para você mesma, você merece.

 

Neste dia cuide de si, você trabalha todos os outros dias para seus filhos, este domingo é seu dia de folga.

 

Que os outros todos façam tudo, aproveite cada instante deste dia e curta-se. Mas sabemos, para toda mãe estar com seus filhos é sempre uma felicidade plena.

 

Que assim seja, afinal, como é bom ser mãe.

Voltar